10.1.07

Assaltos a ourivesarias

São constantes as notícias de furtos e roubos em ourivesarias. Ainda hoje o proprietário de uma ourivesaria de Bajouca, concelho de Leiria, foi morto a tiro durante um roubo no seu estabelecimento.
No que concerne aos furtos, existem dois tipos: aqueles que ocorrem durante a noite e que implicam o arrombamento das portas da ourivesaria e os que são feitos à luz do dia, sem que o funcionário se aperceba.
Estes últimos são também realizados em grupo de duas ou três pessoas, que entram na loja separadamente e, enquanto uma delas distrai o funcionário para um artigo especifico, a outra ou as outras retiram os artigos dos expositores e colocam-nos em bolsos falsos no vestuário ou nas carteiras.
Já o roubo nas ourivesarias, é precedido de um reconhecimento ao local, sendo efectuado, em regra, por um grupo de dois ou três indivíduos (um deles normalmente aguarda numa viatura no exterior), enquanto o (s) restante (s) aborda (m) os funcionários dos estabelecimentos, obrigando-os a colaborar. Tudo se passa no espaço de minutos, após a imobilização de funcionários e clientes, esvaziam-se as montras e expositores, seguindo-se a retirada do local.
Os momentos mais críticos e com maior risco ocorrem durante o trajecto entre a residência e o local de trabalho, na abertura da loja, na preparação e no arranjo das vitrinas, na venda, no encerramento da loja, na guarda das chaves ou no acesso e permanência no estabelecimento do pessoal de limpeza e manutenção.

O que é confirmado por algumas das notícias publicadas acerca de roubos em ourivesarias, durante o ano de 2006 e início de 2007:

1. 30/11/2006, Figueira da Foz, roubo em ourivesaria, o proprietário do estabelecimento foi brutalmente agredido, amordaçado e algemado por um número indeterminado de indivíduos, quando se encontrava sozinho na loja.

2. 09/12/2006, pelas 16H30 - Benavente, roubo em ourivesaria, três homens de rosto descoberto, entraram dentro do estabelecimento comercial e levaram tudo quanto puderam. Empunhavam armas de fogo, tendo agredido violentamente o proprietário da ourivesaria.

3. 22/12/2006, pelas 18H45 - Loulé, roubo em ourivesaria por quatro indivíduos, á mão armada, o empregado, muito maltratado, “a sair da ourivesaria com as mãos amarradas e muito sangue a escorrer da cabeça”.

4. 22/12/2006, pelas 10.30 - Peso da Régua, roubo em ourivesaria, três indivíduos encapuçados, um ficou dentro do carro, dois armados de caçadeira de canos serrados, deitaram o proprietário no chão e partiram os vidros (por detrás dos balcões) levando todo o material que lá se encontrava.

5. 23/12/2006, pelas 10H00 – S. João de Ver, Stª Maria da Feira, roubo em ourivesaria, três indivíduos, fazendo-se transportar numa carrinha Audi cinzenta, dois deles, encapuzados, com “passa montanhas” pretos, e armados de caçadeiras, saíram do carro e entraram na ourivesaria, o que ficou dentro do carro estava armado de pistola e ainda disparou para o ar. O proprietário da ourivesaria ainda tentou sacar da arma que tinha no bolso, mas os assaltantes aperceberam-se e impediram-no, ameaçando-o com as caçadeiras apontadas à cabeça e peito, para dois sacos todas as jóias e artigos em ouro que estavam nas gavetas.

6. 24/12/2006, pelas 10H30 – Esgueira, roubo em ourivesaria, três indivíduos encapuzados, enquanto um quarto os aguardava no interior de uma viatura de marca Seat Leon preto (da gama mais recente) furtado na zona do Porto. Um dos que entrou no estabelecimento empunhava uma «Shot-Gun», dominou o dono do estabelecimento, e os outros dois fizeram o resto, partindo as montras com martelos.

7. 24/12/2006, pelas 13H40 – Pombal, roubo em ourivesaria, três indivíduos, puseram-se em fuga numa viatura de marca Honda, furtada, na zona de Espinho.

8. 29/12/2006, pelas 18H30 - Vale de Cambra, roubo em ourivesaria, por três encapuzados que estacionaram uma carrinha Audi preta, furtada, dois deles armados com caçadeira, enquanto outro ficava no carro.


9. 06/01/2007, pelas 09H30 – Batalha, roubo em ourivesaria, dois indivíduos armados com pistola e caçadeira de canos serrados, utilizando um Mercedes C220 roubado no dia anterior, pelo método de ‘carjacking’, em Gaia.


10. 10/01/2007, pelas 12H00 – Bajouca, Leiria, roubo em ourivesaria, do qual resultou a morte do proprietário.

Destes dados, numa análise superficial, constata-se:
a) Uma preponderância deste tipo de roubo na faixa litoral entre os arredores do Porto e a zona de Leiria,
b) Que nos casos ocorridos nesta zona geográfica os autores dos ilícitos são bastante violentos (armas utilizadas, disparos, intimidação, ferimentos, um homicídio),
c) Bem como, os veículos utilizados são furtados ou roubados (provavelmente com recurso ao carjacking devido às marcas referenciadas), na zona do Grande Porto.

Aconselha-se aos comerciantes que durante o assalto:
  • Não oponham resistência.
  • Procurem manter a calma e não discutir.
  • Anunciem todos os seus movimentos e avisem o assaltante no caso de estar à espera de alguém.
  • Caso tenham alarme, façam-no soar apenas se não lhes trouxer riscos.
  • Observem o assaltante, tomando mentalmente nota do seu aspecto físico, corpulência, vestuário e calçado, tipo de arma e comportamento.
  • Observem o (s) assaltante(s) durante a fuga, procurando anotar a direcção de fuga, cúmplices que possa(m) ter no exterior, características do carro que possa(m) utilizar e a sua matricula, mas sem se expor.

Depois do assalto, devem:
  • Participar a ocorrência às autoridades imediatamente e comunicar as suas observações.
  • Não mexer em nada e pedir a colaboração de testemunhas.
  • A melhor solução é fechar provisoriamente as instalações até as autoridades terminarem o seu trabalho.
  • Contar exactamente, e apenas, aquilo que observaram. Usar de rigor nas declarações.
  • Em caso de roubo participar também à respectiva companhia de seguros.

Túlio Hostílio

4 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

Ao que consta a Polícia Judiciária já deteve, oito pessoas, entre as quais dois estrangeiros, suspeitas de envolvimento em assaltos a ourivesarias realizados no ano passado no Porto, Braga e Aveiro, tendo sido constituídos como arguidos.
Foram efectuadas buscas em domicílios, na Trofa, Santo Tirso, Vila Nova de Famalicão e Guimarães, onde se procedeu à apreensão de oito viaturas, duas armas de alarme, diversos objectos em ouro e «materiais suspeitos de terem sido utilizados na prática dos roubos».
Afinal a polícia ainda consegue funcionar....
NOSTRADAMUS

11.1.07  
Anonymous Anónimo disse...

A Polícia...... JUDICIÁRIA!

11.1.07  
Anonymous Anónimo disse...

Senhor Hostilio, nos EUA onde vivi muitos anos, um HOMEM tem o direito de defender a sua propriedade. Parece que em Portugal não.
Já fomos grandes!!!!!

AMARICANO

11.1.07  
Anonymous Anónimo disse...

Disse a Polícia, porque me referia à Polícia no seu todo, e porque neste tipo de criminalidade a Polícia Judiciária só consegue atingir os seus objectivos graças aos dados que vai colhendo junto da GNR e da PSP. Mas o que está em causa é a segurança de todos e não protagonismos individuais.....
Nostradamus

14.1.07  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial